MENU

Amendoais da Veracruz vão ter aumento da biodiversidade

16 de março de 2022

A Veracruz, a Syngenta e a Universidade de Coimbra firmaram uma parceria para aumentar biodiversidade no amendoal. O protocolo de colaboração entre as duas empresas consiste na instalação de margens multifuncionais Operation Pollinator da Syngenta nos amendoais da Veracruz, na Beira Baixa, avaliação do efeito destes prados floridos na atração de insetos polinizadores e da sua influência na produção da amêndoa e na biodiversidade dos pomares. A Universidade de Coimbra é a entidade responsável pela avaliação científica do projeto.

A Veracruz é uma das empresas líderes na produção de amêndoa em Portugal, com várias centenas de hectares de pomares instalados em Idanha-a-Nova e no Fundão. Apesar de usar variedades de amêndoa autoférteis, que em teoria não precisam de insetos para polinização,  acredita que a atração de polinizadores pode ser benéfica para a produção da amêndoa.

«Um dos nossos pilares é apoiar a produção de conhecimento científico que nos ajude a reforçar a eficiência produtiva, a sustentabilidade e a qualidade das nossas amêndoas. Com o programa Operation Pollinator queremos compreender melhor a forma como a diversificação do enrelvamento dos amendoais pode atrair polinizadores para as nossas plantações e avaliar a real importância destes insetos para a cultura da amêndoa», explica Gustavo Ramos, diretor-geral da Veracruz.

O conceito do Operation Pollinator é simples. Ao longo dos pomares são semeadas margens com espécies de plantas floridas (coentros, colza, sanfeno, trevos, ervilhaca ou tremocilha, entre outras) que servem de abrigo e alimento para os insetos benéficos. Estes, por sua vez, prestam serviços ao agricultor, tais como a polinização das culturas e o combate a pragas.

As margens multifuncionais foram instaladas nos pomares da Veracruz em outubro de 2021 e o seu impacto é monitorizado pelo Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra, através do FLOWer Lab. Os investigadores procedem à identificação e contagem dos grupos de insetos polinizadores, antes e durante a floração da margem, a diferentes distâncias dentro da cultura, com o objetivo de avaliar o impacto e a magnitude destes prados floridos na comunidade de polinizadores e os serviços que estes prestam ao amendoal.

«As margens funcionais, como as desenvolvidas no programa Operation Pollinator, constituem uma prática local que promove a biodiversidade e, por isso, pode ser umaação de conservação, ao mesmo tempo que promove comunidades funcionais prestadoras de serviços aos sistemas agrícolas adjacentes», explica Sílvia Castro, investigadora do FLOWer Lab, que estuda a polinização e o seu papel na promoção da sustentabilidade e resiliência dos ecossistemas agrícolas.

A Veracruz considera fundamental a aproximação à Academia. «Temos como meta partilhar o conhecimento e as boas práticas com outros produtores da fileira. Sem produção de conhecimento não há evolução. Acreditamos que parcerias como esta, com a Syngenta e a Universidade de Coimbra, são fundamentais para uma agricultura de futuro», conclui o diretor-geral da Veracruz.

O programa Operation Pollinator, criado pela Syngenta há mais de uma década, tem ajudado agricultores em todo o mundo a melhorar a polinização das culturas e a aumentar a biodiversidade dos campos agrícolas.

Um estudo realizado em 10 parcelas agrícolas e em diversas culturas (pomares, hortícolas, vinha e cereais), em Portugal e Espanha, ao longo de três anos, demonstrouque o número total de espécies de insetos benéficos aumentou 130% com a instalação das margens multifuncionais desenvolvidas pela Syngenta. Os resultados deste estudo foram apresentados no XI Congresso Nacional de Entomologia Aplicada, em Madrid, em novembro de 2019.